Untitled Document
Boa tarde, 23 de jul
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   

Sexta-feira, 06 de Abril de 2012

 
     

Mais um assassinato de sem-terra expõe violência do latifúndio e Estado ineficaz

  

Para o integrante da coordenação nacional do MST em Pernambuco, Jaime Amorim, a violência cresce devido à falta de prioridade da reforma agrária pelo Estado.

  

Terra de Direitos    
Nos últimos tempos, a violência tem se aprofundado


Por Vivian Fernandes, Radioagência NP, de São Paulo

Mais um trabalhador rural foi assassinado em função de conflitos agrários no país. O sem-terra Pedro Bruno foi alvejado por tiros e faleceu na manhã da última segunda-feira (2) no município de Gameleira (PE). O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) aponta que o assassinato é uma retaliação à reocupação do engenho Pereira Grande, na mesma região, ocorrido no domingo anterior (1).

Para o integrante da coordenação nacional do MST em Pernambuco, Jaime Amorim, a violência cresce devido à falta de prioridade da reforma agrária pelo Estado.

“A violência é inerente ao latifúndio, quer dizer, a injustiça é que produz o próprio latifúndio. Então, enquanto houver latifúndio, infelizmente, vai ter violência. Nos últimos tempos, ela [a violência] tem se aprofundado. Como o Estado não age, o Estado não está apostando na reforma agrária como uma iniciativa de desenvolvimento, os acampamentos vão ficando antigos, vão criando cada vez mais conflitos, e nós aqui estamos sofrendo muitos despejos, reintegrações de posse e muita violência”.

O engenho Pereira Grande – área reocupada, próxima de onde ocorreu o assassinato – é emblemático no conflito por terra em Pernambuco. Ele pertence à Usina Estreliana e foi declarado de interesse social para fins de reforma agrária em novembro de 2003. Atualmente, o caso está pendente na Justiça e a área só poderá ser desapropriada após julgamento final do processo. Ainda recaem sobre o dono da Usina vários crimes trabalhistas.

Na última semana, outros quatro sem-terra perderam a vida. Em Pernambuco, o trabalhador rural do MST Antônio Tiningo foi executado. Já em Minas Gerais, dois homens e uma mulher do Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST) foram mortos.

Radioagência NP - EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  
  
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008