Untitled Document
Boa noite, 28 de mar
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Aquecimento Global

Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

 
     

União Européia bane créditos de gases industriais

  

A partir de maio de 2013 não serão mais aceitos no Esquema Europeu de Comércio de Emissões créditos provenientes de projetos de HFC-23 e N2O, decisão que foi comemorada por grupos ambientalistas e criticada por investidores

  

CE afirmou que decisão irá afetar projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e de Implementação Conjunta (IC)


Por Fabiano Ávila - Instituto CarbonoBrasil/Agências Internacionais

Indústrias na Índia e na China recebem dos seus governos créditos de carbono por adotarem projetos que diminuem a liberação dos gases do efeito estufa HFC-23 e N2O, resultantes da produção do ácido adípico, um químico utilizado na produção do náilon.

Acontece que muitas delas superfaturavam deliberadamente a produção desses gases para assim receberem mais créditos e lucrarem com isso no Esquema Europeu de Comércio de Emissões (EU ETS). Segundo as análises da CDM Watch, o número desses créditos podia estar sendo super estimado em até 90%.

Diante dessa denúncia, a Comissão Européia (CE) decidiu na última sexta-feira (24) banir os créditos provenientes de projetos de HFC-23 e N2O a partir de maio de 2013.

“Nosso objetivo não é diminuir a oferta de créditos, mas garantir que o mercado de carbono internacional conte com a melhor qualidade e distribuição geográfica dos  projetos possível”, explicou a comissária de ação climática da União Européia,  Connie Hedegaard.

A CE afirmou em nota que a decisão irá afetar projetos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e de Implementação Conjunta (IC). Agora, o Parlamento Europeu tem três meses para avaliar a medida e fazer alterações se preciso.

Críticas

Se o banimento dos projetos de  HFC-23 e N2O agradou os grupos ambientalistas, o mesmo não pode ser dito dos negociadores. Muitos acreditam que a retirada desses créditos irá resultar na alta dos preços e da insegurança dos investidores.

A Associação de Investidores e Mercados de Carbono (Carbon Markets and Investors Association – CMIA) criticou a decisão afirmando em nota que as incertezas nas regras do EU ETS acabam por impedir a expansão do esquema.

A CMIA reconheceu que existem “preocupações válidas” sobre os projetos de gases industriais, porém atacou duramente a maneira como a Comissão Européia tratou o assunto.

Segundo a associação, qualquer alteração no EU ETS afeta a confiança dos investidores e gera impactos em todos os envolvidos no mercado. Assim, esse tipo de medida deveria ser anunciada com muita antecedência e discutida de maneira mais transparente.

“Mudanças inesperadas reduzem o capital que está disponível ao aumentar os riscos do mercado. A estabilidade das regras é um ponto fundamental para a arrecadação de recursos para a luta contra as mudanças climáticas. A decisão de sexta-feira vai contra isso”, explica a nota da CMIA.

Além de afetar a confiança dos investidores, outro temor gerado pelo banimento  é a possibilidade de um crescimento acelerado nas emissões de  HFC-23 e N2O.

O EU ETS, que está suspenso desde o dia 19 devido aos casos de roubo de créditos por hackers, deve voltar a operar normalmente na  próxima quarta-feira (26), pelo menos nas regiões que apresentam as melhores estruturas de tecnologia.

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008