Untitled Document
Bom dia, 21 de nov
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Alimentação

Sábado, 02 de Abril de 2016

 
     

Reduzir consumo de carne beneficia saúde, economia e meio ambiente, diz estudo

  

 Pela 1a vez análises sobre a influência na saúde e nas emissões de gases de efeito estufa foram relacionadas.

  

O gado libera grandes quantidades de gás metano da atmosfera, um poluente 21 vezes pior do que o CO2


Por Redação CicloVivo

Um estudo recente, feito por pesquisadores do departamento de sustentabilidade da Universidade de Oxford, mostrou que a redução do consumo global de carnes pode melhorar a saúde, o meio ambiente e também a economia.

O resultado da pesquisa foi publicado na revista científica PNAS no início desta semana. Segundo os autores, esta é a primeira vez que as análises sobre a influência na saúde e nas emissões de gases de efeito estufa foram relacionadas.

A criação de animais ruminantes afeta o meio ambiente de diferentes formas e está diretamente ligada às emissões globais. O gado, por exemplo, libera grandes quantidades de gás metano da atmosfera, um poluente 21 vezes pior do que o CO2. Além disso, o desmatamento gerado para manter a pecuária e a agricultura em larga escala, colabora para a perda de florestas que atuam como importantes pontos de armazenamento de carbono. Sem contar o impacto na biodiversidade local.

Com estas informações, os cientistas concluíram que era necessário cruzar informações e cenários distintos para entender realmente como o consumo de carne pode afetar o planeta.

Os pesquisadores desenharam quatro cenários em um modelo computadorizado para analisar como cada um deles se apresentaria em 2050. São eles:
 
Mantendo os padrões de produção atuais – Para este cenário foram utilizados dados e previsões da Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas .

Com dietas globais saudáveis
– nesta situação, as pessoas em todo o mundo se alimentariam de maneira saudável, consumindo apenas as calorias necessárias para manter o peso saudável. Foram consideradas dietas que incluem: cinco porções de frutas e vegetais, menos de 50g de açúcares e, no máximo, 43 gramas de carne diariamente.

Com dietas vegetarianas, que incluem laticínios
– seriam seis porções de frutas e legumes e uma porção de grãos, como feijão e lentilhas.

Com dietas veganas completamente à base de plantas
– com sete porções de frutas e legumes e uma porção de grãos.

Para explicar a experiências, os pesquisadores esclarecem que os cenários foram projetados para explorar a gama de possíveis resultados proporcionados por uma exclusão progressiva de alimentos feitos com base animal na dieta humana.

A primeira descoberta está relacionada à saúde. Apenas passando do 1º para o 2º cenário, já seria possível salvar a vida de 5,1 milhões de pessoas ao ano. Quando analisado o cenário com dietas vegetarianas, o número sobe para 7,3 milhões e com dietas veganas, chea a incríveis: 8,1 milhões. A explicação seria de que comer menos carne reduz a incidência de doenças crônicas não-transmissíveis, associadas ao sobrepeso e a dietas pouco saudáveis.

A segunda observação diz respeito aos poluentes. “Com a dieta saudável, que contem ainda um pouco de carne, as emissões globais de gases de efeito estufa só aumentaria 7% em 2050. Com o cenário seguindo o padrão atual, esse aumento seria de 51%”, diz a reportagem feita pelo Washington Post.

Os benefícios econômicos vêm na terceira colocação. De acordo com os cientistas, a mudança de hábitos que se reflete em menos doenças, também significa menos gastos com saúde. A economia, apenas com custos para combater doenças e com os dias de trabalho perdidos em consequência de enfermidades, seria de US$ 700 bilhões a US$ 1 trilhão anuais.

Clique aqui para acessar o estudo.
 
cicloVivo/EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008