Untitled Document
Boa tarde, 23 de nov
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Hidrelétricas

Terça-feira, 11 de Março de 2014

 
     

Raimundo, 53, diz adeus à pesca na região de Belo Monte

  

No leito do rio já se percebe a diminuição do fluxo das águas ao ponto de pequenas embarcações terem dificuldades na navegação. Em algumas áreas, isso já é impossível.

  

Anderson Barbosa/Fractures Photo Collective    


Por Anderson Barbosa - Rede Brasil Atual

Pedras acumuladas ao longo do tempo, postas cuidadosamente umas sobre as outras pela força das águas, formando esculturas, seriam um espetáculo de beleza, não fosse a exposição fruto da queda do nível do rio. Não se trata apenas do fluxo que naturalmente, durante uma época do ano, diminui sua vazão. Os peixes desapareceram do rio, com um impacto econômico drástico na atividade pesqueira da região.

Raimundo Campos da Silva, 53 anos, casado, pai de 7 filhos. Representante da terceira geração de pescadores da região de Altamira, no estado do Pará, é um dos que sofrem na pele estes impactos. Desde o início das obras da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, até hoje, nenhum pescador, bem como a maioria das famílias que sofreram com a construção, foi indenizado.

Além dos danos provocados por Belo Monte, em breve podem ter início as obras da Belo Sun Mining Corporation, uma mineradora canadense que tem o maior projeto de extração de ouro do Brasil, com previsão de produzir uma média anual de 4,6 toneladas, na mesma região da Volta Grande, o que pode causar outros impactos na pesca.

Durante quatro dias com seu Raimundo, imerso no rio Xingu, percebem-se os impactos causados na rotina do rio e de quem vive dele. Antes, seu Raimundo pescaria 130 quilos de peixe, mas, agora, não consegue mais que 10 quilos.

Raimundo, de fala mansa, que gosta de um brega e vibra ao ouvir Roberto Carlos, está descrente com o futuro da pesca em Altamira. O que alimenta sua esperança é a indenização de sua casa, no bairro Invasão dos Padres, uma vila de palafitas que ficará permanentemente alagada após a barragem definitiva do rio. Com a indenização ele pretende ir embora para o estado do Amazonas, comprar um novo barco, construir uma nova casa e recomeçar a vida, seguindo com a pesca. Por enquanto, agora na época da desova e pela proibição do Ibama, seu Raimundo e outros pescadores sobreviverão por quatro meses de um salário mínimo, uma conquista adquirida há alguns anos por lutas dos pescadores.

Rede Brasil Atual/EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008