Untitled Document
Bom dia, 23 de nov
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Mudanças Climáticas

Domingo, 20 de Setembro de 2015

 
     

Negociações climáticas ignoram questão da água em um mundo com escassez cada vez maior

  

Sem aparecer nas negociações da Conferência Internacional do Clima (COP-21), que ocorre em dezembro, em Paris, a situação da água é um dos principais indicadores sobre os efeitos da mudança climática

  


Por ISA/ADITAL

As negociações da Conferência Internacional do Clima (COP-21) – que acontecem em dezembro, em Paris – não contemplam o problema da água, um recurso essencial fortemente impactado pela mudança climática. Os negociadores reunidos na penúltima rodada de negociações prévias ao evento, em Bonn, Alemanha, no início deste mês, a menos de 100 dias da conferência, seguiram ignorando o assunto. Ele simplesmente não aparece em nenhum documento preliminar da conferência.

Apesar disso, a situação da água é um dos principais indicadores sobre os efeitos da mudança climática. Por causa do aumento da temperatura média global, até o fim do século, as fontes renováveis na superfície e os recursos hídricos subterrâneos diminuirão consideravelmente nas regiões secas subtropicais.

A previsão é de secas cada vez mais frequentes, inundações e alterações dos calendários pluviométricos em geral, provocando riscos à saúde e à segurança alimentar, além de importantes tensões geopolíticas. Este cenário é detalhado no relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), lançado no ano passado.

Além disso, em escala planetária, o mundo enfrenta alterações de ecossistemas essenciais para o ciclo d’água, como o derretimento das geleiras, a salificação de mananciais (decorrente do aumento do nível do mar) e a acidificação dos oceanos. O desafio aumenta, considerando que, até 2050, a demanda de água crescerá 55%, puxada pelos usos agrícolas, o crescimento da população e pela produção de energia, como explica o relatório "Água para um mundo sustentável”, lançado por agências das Nações Unidas este ano.

"A água é o denominador comum de todos os aspectos da mudança climática. Mudança climática é mudança hídrica”, ressaltou Torgny Holmgre, diretor executivo do Instituto Internacional da Água de Estocolmo (SIWI, na sigla em inglês), durante a Semana Internacional da Água, realizada em Estocolmo, Suécia, há 20 dias.

Os especialistas que participaram do evento insistiram na necessidade de inserir o tema da água nos processos de negociação relacionados ao financiamento climático, – principalmente, o Fundo Verde; aos Planos de Adaptação Nacionais; e às Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas (INDC, sigla em inglês). A ideia é que a inclusão do assunto nesses mecanismos faria da gestão dos recursos hídricos parte essencial das ações de mitigação e de adaptação às mudanças climáticas.

Amazônia em foco

O Brasil é o país mais rico em fontes de água doce não congelada. Só a Bacia Amazônica contém 20% do recurso. Cientistas acreditam que a diminuição das precipitações no Sudeste do país pode ser resultado das alterações climáticas decorrentes do desmatamento da Amazônia. A Floresta Amazônica libera na atmosfera, a cada dia, 20 milhões de toneladas de água, que são transportadas pelos ventos alísios até o Sudeste, por meio dos chamados "rios voadores”, com um volume hídrico maior que o do próprio Rio Amazonas (saiba mais).

A proteção das florestas e a governança hídrica são objetivos importantes para garantir a segurança hídrica no planeta, segundo destacam as Nações Unidas no último relatório sobre Sustentabilidade Hídrica.

Mudança climática, estresse hídrico e alimentação

Os especialistas que participaram do encontro em Estocolmo reforçaram que os fenômenos climáticos extremos já estão impactando as safras de numerosas culturas agrícolas. "Cerca de 90% da agricultura no planeta depende da água da chuva”, afirmou Malin Falkenmark, pesquisadora do SIWI.

Um exemplo é o milho, que será um dos produtos mais afetados pela mudança climática. De acordo com as estimativas do Grupo de Investigação de Agricultura Internacional, a produção dessa cultura poderá ter uma redução de 25% até 2055. No Brasil, até 2020 a produção de soja pode diminuir 24% e a do trigo, 41%, segundo o World Resources Institute.

No contexto das mudanças climáticas, os atuais padrões de uso de água para a agropecuária são cada vez mais insustentáveis. Para a produção de um quilo de carne bovina, por exemplo, são necessários atualmente 15 mil litros de água, segundo a Rede da Pegada Hídrica, ao mesmo tempo que muitas regiões do planeta, principalmente na Ásia e na África Subsaariana, enfrentam situações de alto estresse hídrico. Uma região ou população enfrenta estresse hídrico quando a demanda supera a quantidade de água disponível. Em consequência, tornam-se urgentes compromissos de eficiência e de redução do uso da água nos processos produtivos como medidas essenciais de adaptação à mudança climática (leia mais).

A água nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

O acesso à água limpa e segura é um direito humano essencial à vida, segundo uma resolução das Nações Unidas aprovada em julho de 2010. A segurança de provisão de água, de saneamento para todos e de gestão sustentável do recurso constitui um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030 – que devem ser aprovados no mês de setembro na assembleia das Nações Unidas em Nova Iorque.

Como resultado dos esforços de cada país para alcançar a meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) para 2015, mais de 2,3 bilhões de pessoas no mundo conseguiram acesso a fontes seguras de água desde 1990, segundo o relatório de metas atingidas no decénio da água das Nações Unidas (2005-2015).

No entanto, existem 1,6 bilhão de pessoas que moram em países e regiões com uma escassez de água absoluta e estima-se que esse número possa crescer até 2,8 bilhões em 2025, segundo o Banco Mundial.
ISA/ADITAL - EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008