Untitled Document
Boa tarde, 23 de nov
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Fauna

Terça-feira, 04 de Fevereiro de 2014

 
     

Pesquisadores encontram espécies de peixes não documentadas no Brasil

  

 A Pyrrhulina zigzag e a Apistogrammoides pucallpaensis foram encontradas na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, município de Maraã, no limite entre essa unidade de conservação estadual e a Reserva Extrativista Auati-Paraná, ambas no Rio Amazonas.

  

Divulgação    
Espécies são encontrados com facilidade na Amazônia peruana


Por Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Buscando mapear a fauna em uma região ainda não estudada, pesquisadores do Instituto Mamirauá descobriram duas espécies de peixes nunca documentadas no Brasil. A Pyrrhulina zigzag e a Apistogrammoides pucallpaensis foram encontradas na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, município de Maraã, no limite entre essa unidade de conservação estadual e a Reserva Extrativista Auati-Paraná, ambas no Rio Amazonas.

Os peixes são caracterizados pela beleza ornamental e o porte pequeno. Eles são encontrados com facilidade na Amazônia peruana. Durante fevereiro, maio, agosto e novembro de 2013 os pesquisadores fizeram expedições na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá..

“Esta é uma área que estamos começando a estudar. Então, fizemos a coleta de peixes nos períodos de seca, enchente, cheia e vazante. As duas espécies foram encontradas em todas as expedições”, comentou o técnico de pesquisa em ecologia e biologia de peixes, Jonas Oliveira. 

Na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá os pesquisadores tiveram cinco pontos dentro desta área para coletar os dados. Oliveira acredita que a vinda destes animais se deve ao fato do local ser um habitat propício para as espécies, principalmente ao Apistogrammoides pucallpaensis. “Eles estão em uma área de várzea. O Apistogrammoides costuma ficar em área de lama que é a mesma que temos aqui”, explicou.

Agora, os pesquisadores do Instituto Mamirauá querem estudar a incidência destes animais e descobrir o motivo do encontro das espécies no Rio Auati-Paraná, que faz confluência com os Rios Japurá e Solimões.
 
MCTI - EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008