Untitled Document
Bom dia, 08 de dez
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Lixo

Sábado, 28 de Janeiro de 2012

 
     

O lixo na praia do Cassino: um problema global

  

O Centro de Reabilitação de Animais Marinhos (Cram), do Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande, consegue reabilitar apenas 30% dos animais, pois a maioria vem para o museu com a saúde muito comprometida. Dos que morrem, aproximadamente 80% sofrem obstrução intestinal causada por lixo.

  

Daniela de Bem/EcoAgência    
Lixo retirado do estômago de uma tartaruga


Por Daniela Andrade Torres de Bem, especial para a EcoAgência de Notícias

Com a chegada do verão, muitas pessoas se deslocam para a praia a fim de aproveitar o mar e o sol. Nessa época, devido ao aumento de freqüentadores, o problema do lixo se torna mais visível e discutido, ainda que exista constantemente. Na praia do Cassino, localizada em Rio Grande (RS), no extremo sul brasileiro, não é diferente.

O balneário, que tem, aproximadamente, trinta mil moradores fixos, chega a triplicar esse número no verão. De acordo com o secretário Irajá Pellegrini, da Secretaria Especial do Cassino, o bairro fica com uma população diária de 80 mil a 100 mil pessoas. A prefeitura retira todos os dias, nos meses de alta temporada, por volta de seis caçambas de caminhão lotadas de resíduos sólidos deixados pelos visitantes. A administração coloca de 300 a 350 tonéis na praia e recolhe o lixo nos finais de tarde. Faz, ainda, uma limpeza desde as dunas até a zona de maré com a utilização de maquinário. No entanto, não é difícil ver lixo jogado na areia. É preciso andar apenas alguns metros para encontrar canudinhos, sacolas plásticas, latinhas de refrigerante, garrafas pet, pontas de cigarro.

Mas a origem desses resíduos está longe de ser apenas do turismo irresponsável. Existe a poluição dos próprios moradores – lixo/esgoto depositado em valetas pluviais ou cascotes e, até mesmo, sofás e geladeiras colocadas nas dunas – a proveniente de embarcações e a que é trazida pelas correntes marítimas. Há, também, uma característica peculiar da região: 70% da bacia hidrográfica do Rio Grande do Sul desemboca no Rio Guaíba e na Lagoa dos Patos, chegando à praia do Cassino. O lixo jogado por um porto-alegrense no Arroio Dilúvio, por exemplo, pode vir boiando e desaguar na praia. O que é descartado na água em outros bairros de Rio Grande também vai para o mar, já que o município é cercado pela Lagoa dos Patos e possui habitantes em quase toda a sua orla.

Pela procedência diversificada, o problema se faz presente com chuva ou sol, nas altas ou baixas temperaturas. O Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (Nema) trabalha com diversos projetos de conservação e proteção do meio ambiente, entre a Lagoa do Peixe e o Chuí, numa extensão de 350 quilômetros que inclui a praia do Cassino. Existente há 28 anos, a ONG com sede no balneário tem seu trabalho permeado pela preocupação com a produção e o descarte de resíduos sólidos, principalmente, no que se refere à educação. O diretor do Nema, oceanólogo Kléber Grübel, reclama da manutenção do balneário Cassino no inverno. Para ele, a prefeitura se importa em limpar para os turistas, mas esquece que o trabalho precisa ser realizado todo ano. “É necessário sempre se fazer a gestão, a proteção da praia, porque tem trinta mil pessoas que moram aqui no Cassino, então não se pode trabalhar com uma visão só para os veranistas.”

Em contrapartida, o secretário Irajá Pellegrini diz que há uma preocupação permanente com a gestão dos resíduos. “A limpeza acontece, o problema é que a velocidade de sujar é maior que a de limpar. Por necessidade, a gente vai limpando, mas não tem todos os dias como no verão e nem tem como ter, porque no verão aumenta o aporte de pessoal e triplica o número de moradores.” Além de aumentar a periodicidade – a limpeza passa a ser diária – a faixa de praia atendida no verão se estende de, aproximadamente, oito quilômetros para até doze quilômetros ao sul, espaço que compreende a concentração urbana do bairro.

A zona urbanizada do Cassino representa pouco perto dos mais de 240 quilômetros da maior praia contínua do mundo, que vai até o Chuí. Porém, mesmo nos locais quase inabitados, o lixo é encontrado. A cerca de cem quilômetros ao sul, em uma das áreas de praia mais desertas do Brasil, acumulam-se resíduos sólidos trazidos pelo mar. Segundo Grübel, lá são vistos restos de redes, latas, desodorantes. Outro material existente em quase toda a costa são pequenas esférulas plásticas, a base para se fazer diversos tipos de embalagem.

A vida marinha ameaçada

Quem mais sofre com o impacto causado por essa poluição são os que vivem no mar. A morte de animais - como tartarugas, aves, peixes, lobos e leões marinhos - causada pela atividade antropogênica, tira o equilíbrio natural do ambiente e afeta a cadeia alimentar.
O Centro de Reabilitação de Animais Marinhos (Cram), do Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande, tem como objetivo tratar de espécies que aparecem debilitadas na costa marítima da região. Laboratórios da Universidade realizam um intenso monitoramento da praia. Quando algum animal doente é avistado, é avaliado e, se preciso, enviado ao Cram, onde permanece até ser reabilitado e reintroduzido ao ambiente natural.

Veterinário e diretor do Centro, Rodolfo Silva explica que a fauna marinha atendida é impactada, majoritariamente, pela ação do homem. Redes pesqueiras abandonadas no mar enredam animais, provocando amputação, afogamento e, por vezes, a morte. Manchas de óleo originadas de descargas incorretas de navios atingem a rota migratória dos pinguins que vêm da Patagônia no inverno, desestruturando a organização de suas plumagens e causando a saída deles do mar. E, entre os casos mais frequentes, também está a intoxicação por ingestão de resíduos sólidos.

Silva conta que, apesar de ser um lugar de referência, o Cram consegue reabilitar apenas 30% dos animais, pois a maioria vem para o museu com a saúde muito comprometida. Dos que morrem, aproximadamente 80% sofrem obstrução intestinal causada por lixo. “As pessoas parece que são educadas de costas para o mar, para a lagoa. Elas têm a lagoa como final, chegam e jogam fora o que não interessa. Não se pode ter o lixo na nossa visão, então a gente joga na água e some. Mas não some, porque existe toda uma vida nessa água”.

As tartarugas marinhas são uma das maiores vítimas da ingestão de lixo. As espécies mais comuns no litoral sul gaúcho são a verde e a cabeçuda, ameaçadas de extinção. Conforme a bióloga do Nema e mestre em Engenharia Oceânica, Juliana Barros, são registradas, anualmente, por volta de 400 tartarugas mortas entre a Lagoa do Peixe e o Chuí.

Em sua monografia, a pesquisadora analisou o trato digestivo de 41 tartarugas-verde mortas na região no período de setembro a novembro de 2004, maio de 2006 e entre novembro de 2006 e abril de 2007. Os resultados mostraram que mais de 85% delas se alimentaram de resíduos sólidos, que representavam quase 20% do conteúdo gastrointestinal. Juliana Barros ressalta que esse material já faz parte da dieta delas. “Isso vem do hábito alimentar, da forma como a tartaruga se alimenta, ela come o que está boiando. Está comendo essa quantidade de lixo das mais variadas origens, desde papel de bala, chiclete, camisinha, balão de festa, canudinho.”

Entre janeiro e outubro de 2010, 37 tartarugas-verde foram recebidas no Cram e 97% delas morreram - porcentagem de óbito similar foi observada entre os anos de 2004 e 2007. Nas que não resistiram, havia em todas a presença de lixo no trato gastrointestinal. Silva diz que, em alguns casos, plásticos localizados no estômago encheram um pote de café solúvel de 500 gramas.

O veterinário explica que a ingestão desse material dá à tartaruga uma sensação de saciedade. O lixo ocupa o lugar da comida, e o animal passa a se alimentar menos, ficando desidratado e desnutrido. “O animal acha que tem uma coisa para comer e para digerir e não tem nada. Aí, deixa de comer, começa a ficar fraco, até chegar à beira da praia. Animais caquéticos, esqueléticos nos chegam em grande número.”

Uma questão de responsabilidade e de consciência

Os resíduos apresentam riscos aos usuários da praia, comprometem a atividade turística e a qualidade da água e causam impacto ao ambiente marinho. O seu descarte inadequado não é exclusividade do Cassino. Segundo a bióloga do Nema, estima-se que 140 milhões de toneladas de lixo chegam ao oceano por ano.

Para Silva, o esquecimento de que existe apenas uma terra e que é preciso cuidá-la constrói esse cenário. Ele acredita que a mudança só irá ocorrer quando o homem se sentir parte do meio ambiente. ”O golfinho nasce, vai lá e dorme junto com a mãe dele, aí a mãe vai se deslocar para mostrar onde se pega o peixe, como se come. Eles vão brincar, vão jogar o peixe um para o outro, vão socializar. Tudo isso os animais fazem, e o homem não entende que ele é igual, que ele faz parte desse contexto. Enquanto ele não entender isso, ele vai continuar jogando lixo em qualquer lugar.”

Kléber Grübel ressalta que o descarte incorreto dos resíduos sólidos é resultado de uma sociedade de consumo que se preocupa apenas com a etapa da produção. Segundo ele, há uma visão mundial que busca o aumento da qualidade de vida através do ato de compra. Ao mesmo tempo em que uma forte política incentiva a produção desses bens, coloca-os no mercado e os transforma em objetos de glamour. Quando eles viram resíduos, são esquecidos. “O descarte é um processo que está à margem das políticas públicas e da consciência das pessoas. Para resolver essa questão, jogam o lixo em qualquer lugar e, de alguma maneira, esquecem do problema.”

Como solução, o diretor do Nema acredita na educação e na taxação tanto de produtores quanto de consumidores que optarem por usar produtos que não sejam adequados do ponto-de-vista ambiental. Por exemplo, se um artigo vendido é embalado, desnecessariamente, em vários plásticos, a empresa que quiser produzir dessa maneira precisa pagar por isso ou optar por uma embalagem única e degradável. O preço para o comprador também deve ser mais alto. Com a responsabilização de todos envolvidos no processo, o capital arrecadado poderá ser investido no pós-consumo, com o intuito de dar um destino correto ao resíduo, contratando empresas, fazendo uma coleta seletiva eficiente e dando dignidade às pessoas que trabalham com o lixo.

Juliana Barros salienta que hoje há muita informação sobre como ter uma postura de responsabilidade com o meio ambiente: na escola, nas propagandas e no dia-a-dia. Entretanto, avalia que o discurso não se converte em ação. O veterinário do Cram considera o problema do lixo consequência da irresponsabilidade do homem, que não entende a importância dos microambientes na formação do todo – a Terra. “O ser humano é irresponsável. Vive uma vida paralela ambiental. Adora dizer que ama cachorrinho, que faz tudo pelo mundo, compra camisa do Greenpeace e tem aquele discurso: "Eu quero deixar para os meus filhos". Mas só isso não serve. A verdade é que a maior parte das pessoas quer ganhar muito dinheiro, ter tudo e está pouco se importando com a Terra.”


Galeria de fotos produzidas pela repórter Daniela Andrade Torres de Bem, na praia do Cassino.

EcoAgência/Sintonia da Terra

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  
  
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008