Untitled Document
Bom dia, 27 de jun
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   

Sábado, 23 de Janeiro de 2016

 
     

Mobilização em defesa das Áreas Prioritárias para a Biodiversidade

  

Manifesto encaminhado ao governo federal cobra o cumprimento de Portaria n.9 de 23 de janeiro de 2007 e denuncia que 62% das hidrelétricas estão sendo construídas nestas áreas

  

Reprodução    


Por EcoAgência

Passados nove anos da edição da Portaria n. 9 de 23 de janeiro de 2007 que definiu o Mapa das Áreas Prioritárias para a Biodiversidade (APBio) com poucos resultados colhidos, 37 organizações defensoras do meio ambiente e 23 pesquisadores da biodiversidade brasileira assinam o “Manifesto em defesa das áreas prioritárias para a Biodiversidade” encaminhado hoje (23) ao governo federal. Além de cobrar o cumprimento das políticas públicas previstas na Portaria, denunciam que os projetos de desenvolvimento econômico implementados estão ignorando a existência da mesma.

“Em estudo recente realizado vimos que 62% das hidrelétricas estão sendo construídas nestas áreas e que 25% do total dos projetos incidem justamente sobre as áreas consideradas de Extrema Importância. Outro agravante é que outras atividades, em especial as agropecuárias que representam conversão total de ecossistemas nos biomas brasileiros, estão se expandindo de forma descontrolada também nas APBios. Isso denota a total desconsideração com a sociobiodiversidade brasileira, resultando em ameaça às funções ecossistêmicas das quais todos nós dependemos, com destaque à Água”, afirmam.

 

O grupo aguarda uma resposta do governo assim como dos demais poderes de Estado devido a gravidade da situação e a imediata necessidade de haver a reavaliação dos conflitos entre as políticas públicas que afetam a sociobiodiversidade do país. 

 

Leia o Manifesto na íntegra.

EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008