Untitled Document
Bom dia, 20 de ago
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   

Terça-feira, 11 de Outubro de 2016

 
     

NEJ-RS realiza curso para jornalistas na UFRGS com apoio da FLD

  
O segundo módulo será sábado 15 de outubro e, o terceiro e último desta edição, será sábado 22 de outubro. Nos próximos encontros o debate vai será sobre as relações entre uso de agrotóxicos no RS e a mudança climática
  

EcoAgência    
Curso acontece no auditório 2 da Fabico aos sábados pela manhã


Por Eliege Fante - especial para a EcoAgência

"O desafio da cobertura jornalística diante do uso de agrotóxicos e da mudança climática", realizado pelo Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul (NEJ-RS), com o apoio da Fundação Luterana de Diaconia (FLD) iniciou no último sábado (08/10). Os jornalistas, educadores ambientais, pós-graduandos, e estudantes universitários inscritos se reuniram no auditório 2 da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Fabico/UFRGS), em Porto Alegre. A instituição é parceira do NEJ-RS e da FLD na realização da atividade, que é oferecida gratuitamente aos participantes.

 

O segundo módulo será sábado 15 de outubro e, o terceiro e último desta edição, será sábado 22 de outubro. Segundo a coordenadora do evento, a jornalista e mestra em Comunicação e Informação Débora Gallas, o objetivo dos próximos encontros é ampliar o debate sobre as relações entre uso de agrotóxicos no Rio Grande do Sul e a mudança climática.

 

Saber ambiental

No primeiro módulo, a professora da Fabico, diretora de Comunicação do NEJ-RS e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental UFRGS/CNPq, Ilza Girardi, apresentou o contexto do desafio do jornalismo. "Esta visão que sobrepõe o aspecto econômico sobre os demais, principalmente sobre o ambiental, é cega diante dos problemas socioambientais e das possíveis escolhas de verdade sustentáveis que temos pela frente," disse Ilza.

 

O coordenador do Núcleo, Juarez Tosi, relembrou com os participantes o início da prática do Jornalismo Ambiental. "Eu e mais dois jornalistas de veículos de Porto Alegre participamos em 1989 de um evento promovido pela Federação Nacional dos Jornalistas. Foi preparatório para a realização da Conferência Rio 92 e percebemos que teríamos muita coisa para aprender e poder cobrir as pautas ambientais que surgiam," disse. E assim, no documento final consta o compromisso assumido por aqueles jornalistas de criarem grupos de jornalistas ambientais no seus Estados. O NEJ-RS é o único que se manteve atuante desde 1990. Além da questão dos agrotóxicos e da poluição industrial, o tema marcante pré e pós-Eco 92 foi o buraco da camada de ozônio.

 

Segundo a professora Ilza, o saber ambiental incorpora todos os outros, envolve a cultura e a sociedade. Neste sentido, criticou a economia que visa somente o lucro imediato e a financeirização da natureza. "Ecologia e economia deveriam trabalhar juntas, porque a primeira significa o estudo sobre a casa e a segunda a administração da mesma. Mas como administrar bem e com sustentabilidade se não conhecemos a nossa casa?," argumentou. O referido conhecimento é buscado na prática do Jornalismo Ambiental em diálogos com as outras áreas do saber, como a biologia, a geologia, a geografia, a sociologia, todas de que o profissional do jornalismo puder se aproximar para compreender as interrelações e interdependências entre natureza e sociedade.

 

Certificado

Os participantes também poderão refletir sobre as alternativas necessárias frente aos problemas ambientais atuais através de uma visita a áreas de produção agroecológica. Ao final do evento, todos receberão certificado de participação.

 

Acompanhe: https://www.facebook.com/ecoagenciadenoticias

 

EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008